Área do participante
recuperar senha Voltar

Espetáculo Mary e os Monstros Marinhos

 
Concebido e produzido pela premiada Companhia Delas de Teatro, o espetáculo Mary e os Monstros Marinhos é a única peça infanto-juvenil brasileira que explora em conjunto as temáticas Paleontologia e Empoderamento Feminino, instigando o público escolar, e público em geral, a aproximarem-se e envolverem-se na valorização do registro fossilífero como patrimônio científico da humanidade, bem como no reconhecimento das dificuldades que as mulheres encontravam, e ainda encontram, na exploração e carreira científicas.

O papel das mulheres em múltiplas áreas da sociedade é evidenciado no espetáculo que joga luz, especificamente, sobre o campo da ciência. A Companhia, formada exclusivamente por atrizes-pesquisadoras-produtoras, nutre interesse natural por temas feministas/feminismo em 18 anos de experiência profissional. Dessa vez, a inspiração veio do livro infanto-juvenil As cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo (2017), da escritora e ilustradora estadunidense Rachel Ignotofsky. Mote para discutir igualdade de gênero, a história da paleontóloga Mary Anning (1799-1847) foi pinçada daquelas páginas. A montagem que revisita a pré-história para se revelar extremamente atual na desconstrução do patriarcalismo é assinada pela diretora convidada Rhena de Faria.


Ilustração representativa de Mary Anning e seu cão, de nome Trey, quando, em 1823, ela encontrou em um penhasco na Inglaterra o primeiro esqueleto de um plesiosauro da história. Fonte: National Geographic Kids.
 
De família pobre, Mary Anning começou a trabalhar com apenas 12 anos. Ela sobreviveu a tempestades e enfrentou perigosos deslizamentos de terra para fazer grandes descobertas. Estudou anatomia dissecando répteis em sua cozinha, e assim foi capaz de remontar o primeiro esqueleto de um ictiossauro (um grande réptil marinho jurássico). A vida de Mary Anning fascina crianças e adultos.

Sua história, até então difundida apenas no meio acadêmico, ganhou os palcos em Mary e os Monstros Marinhos. O espetáculo tem dramaturgia original construída a quatro mãos - da diretora Rhena de Faria e das atrizes Cecília Magalhães, Julia Ianina e Thaís Medeiros, integrantes da Companhia Delas. A direção de arte é de Mira Haa, a iluminação de Wagner Freire e a trilha sonora original de Artur Decloedt. A equipe conta ainda com a consultoria do Prof. Dr. Luiz Eduardo Anelli, do Instituto de Geociências da USP.

A construção do texto se deu de forma colaborativa, a partir de muitos estudos e improvisações. A presença de "monstros marinhos" no título aponta uma escolha dramatúrgica: a relação da protagonista com os fósseis, elementos de uma história verídica, misturando-se com a relação imaginária da protagonista com os animas pré-históricos. A encenação e o texto revelam virtudes da protagonista como a curiosidade, a inteligência, a coragem e a perseverança, mostrando que a personagem em posse destas virtudes triunfa sobre as suas dificuldades. A peça dá à protagonista o inevitável êxito que lhe foi conferido pós-morte, mostrando aos espectadores a importância de seu legado para as gerações posteriores e o reconhecimento nos meios acadêmicos de que suas descobertas constituem alguns dos achados geológicos mais essenciais para conhecermos a história da Terra.

Atrizes.
 
As atrizes encontraram na vida e obra de Mary Anning a inspiração para este que é o 11o espetáculo da Companhia Delas: uma peça sobre uma mulher de um tempo passado, contada por mulheres de hoje, para nossas meninas e meninos, que vão construir os novos tempos que virão. As atrizes Cecília Magalhães, Julia Ianina e Thaís Medeiros revezam-se no papel de Mary Anning representando as três fases da personagem: criança, jovem e adulta - além dos outros 14 personagens que interagem com a protagonista ao longo de sua jornada.

A Comissão Organizadora do XXVI Congresso Brasileiro de Paleontologia orgulha-se em promover em Uberlândia, no dia 23 de outubro, duas sessões da peça Mary e Os Monstro Marinhos: às 15h (para escolares e acompanhantes) e às 20h (participantes do XXVI CBB e público em geral). Ambas ocorrerão no auditório da CDL Convenções e Eventos. Com 448 lugares, é o segundo maior auditório da cidade.
 
  • Espetáculo gratuito para estudantes da rede pública de Uberlândia acompanhadas de professor e/ou responsável.
  • Espetáculo gratuito para crianças com até 12 anos acompanhadas de adulto pagante.
  • Ingressos para adultos devem ser retirados no Restaurante Terra Brasilis a partir do dia 15 de setembro de 2019, a um custo de R$ 30,00 (meia-entrada para jovens até 19 anos).

Esta atividade exclusiva conta com apoio do hotel Ibis Budget Uberlândia, do Restaurante Terra Brasilis, e da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PROEXC-UFU).