Área do participante
recuperar senha Voltar

     
Georges Cuvier (Montbéliard, 23 de agosto de 1769 - Paris, 13 de maio de 1832)
(Artista: Zdenek Burian, 1960)

Personagem central no desenvolvimento da Paleontologia, descreveu o primeiro fóssil das Américas e da história da nomenclatura científica (Megatherium americanum Cuvier, 1796). Estudando ainda proboscídeos, rinocerontes, ursos, marsupiais, mosassauros, pterossauros e crocodiliformes marinhos, foi consagrado pela posteridade como o "Pai da Paleontologia de Vertebrados"1. Utilizou-se da anatomia comparada no estudo dos fósseis de grandes vertebrados para reconhecer a realidade das extinções, o conceito mais impactante que a Paleontologia agregou ao conhecimento humano.

 
        

Para uma perspectiva da polêmica envolvida no conceito de extinção, que sequer existia a sério até o século XVIII, esta não era reconhecida como possível pela maioria dos seus contemporâneos. Seu colega no Muséum National d'Histoire Naturelle em Paris, Jean-Baptiste Pierre Antoine de Monet, cavaleiro de Lamarck e "Pai da Paleontologia de Invertebrados", não cria que as espécies pudessem se extinguir, a não ser pela ação do homem. Encarava que a perda de diversidade era inadmissível perante a plenitude da ordem natural e, ao descrever e nomear uma espécie fóssil, em geral um molusco, Lamarck frequentemente acrescentava, esperançoso, a sentença: "a análoga viva dessa espécie ainda não é conhecida". Atestando as diferenças entre espécies fósseis e viventes de grupos terrestres e de grande porte, tais como os proboscídeos (elefantes, mastodontes, mamutes e afins), Cuvier argutamente afastava a possibilidade de que a espécie fóssil pudesse estar ainda viva em alguma paragem remota.
 
         
Cuvier e o mastodonte apelidado "O animal de Ohio", um dos primeiros fósseis descobertos por europeus nas Américas.  (Artista: Pelycosaur24, DeviantArt)
 
Além da reviravolta que embutiu na compreensão da história da vida, o conceito de extinções lançou as bases da bioestratigrafia (então denominada "Princípio da Correlação Fossilífera"), o que por sua vez levou a uma escala temporal relativa para os estratos rochosos e também levou ao mapeamento geológico, elementos essenciais na compreensão da história da Terra e de imensa aplicabilidade. Por fim, o conceito de extinções levou ao Catastrofismo como paradigma na geologia do século XIX. Esta concepção teórica defendida por Cuvier postulava que a história da Terra fora pontuada por catástrofes, ou "revoluções", que removeram a biota de um local. Este seria novamente ocupado por diferentes organismos, migrantes que só se estabeleceriam após o término da deposição de um estrato inferior e mais antigo contendo os fósseis da biota submetida à revolução anterior à migração. Este conceito de sucessões bióticas exigia alargar consideravelmente a idade da Terra frente ao que era convencionado, e "romper os limites do tempo", segundo Cuvier. O homem que Honoré de Balzac considerava "o maior poeta" de seu tempo jamais embutiu o sobrenatural em seu modelo sucessório de faunas compostas por seres cada vez mais assemelhados aos atuais.

Entretanto, havia um problema, suscitado em grande parte justamente pelas diferenças entre as espécies atuais e as espécies extintas relevadas pela Paleontologia: o problema da origem das espécies. Cuvier não considerava que a origem da vida era um assunto tratável pela Ciência, portanto não lidou com a questão da origem das espécies, focando-se em seu fim, através das extinções. A proposta dos seus discípulos Alcide d'Orbigny e Louis Agassiz, de substituir a hipótese da migração nas sucessões bióticas pela Teoria das Criações Sucessivas, veio como uma tentativa de preencher essa lacuna, e essa hipótese acabou sendo, frequente e erroneamente, atribuída a Cuvier. De todo modo, seu modelo gozou de enorme prestígio até meados do século XIX, quando anomalias ao sistema catastrofista começaram a se acumular.


À medida que surgiam dados que insinuavam que extinções ocorriam mesmo na ausência de eventos maciços e catastróficos, e à medida que foram sendo encontrados fósseis de organismos modernos e viventes preservados em estratos junto com fósseis de espécies já extintas, as evidências que desafiavam o modelo catastrofista foram primeiramente ignoradas, depois questionadas, e por fim esmiuçadas. Elas se avolumaram pelo trabalho de diversos naturalistas, mas um destaque, tanto pelo volume de descobertas quanto pelo simbolismo, está na obra desenvolvida em Minas Gerais pelo dinamarquês que reconhecemos como o "Pai da Paleontologia Brasileira", Peter Lund.

Fósseis de antas, primatas, roedores, morcegos, felinos e canídeos modernos foram descobertos preservados em grutas de Lagoa Santa e região, e em associação aos extintos mastodontes, cavalos americanos, tigres-dentes-de-sabre e preguiças gigantes, todos argutamente identificados e datados por Lund sob os preceitos anatômicos e estratigráficos de Cuvier. Imbuído do paradigma cuvieriano, Lund descreveu inicialmente todos os fósseis encontrados como sendo pertencentes a espécies extintas e diferentes das atuais e, aos poucos, convencia-se de que não era este o caso. A concepção teórica cuvieriana passara a ser contestada, ironicamente, pelos poderosos métodos cuvierianos.


Em 1840, Lund relatou pela primeira vez na história a presença de fósseis humanos preservados em contemporaneidade com a extinta megafauna, e os localizou na Gruta do Sumidouro, situada no atual município de Pedro Leopoldo. Lund ficou profundamente abalado com a ameaça ao ideário teórico catastrofista que tinha em mãos e com a perspectiva do que estava por vir. Dezoito anos antes de Darwin publicar A Origem das Espécies, Lund afirmou ser "difícil marcar um limite exato onde termina a espécie extinta e começa a recente. Parece que houve uma certa transição no decorrer dos tempos, de modo que existe uma grande semelhança entre as diversas espécies da  sequência, mesmo tendo diferenças bem distintas entre as espécies iniciais e finais". Em 1844, Lund apresentou à ciência europeia a inédita hipótese da contemporaneidade do homem com grandes mamíferos extintos, enviando em seguida, sua imensa coleção de fósseis para Copenhagen, e encerrou seus trabalhos. Alegava frágil saúde e dificuldades financeiras, mas é muito provável que tenha se assustado com a intensidade do golpe que ele, fiel discípulo de Cuvier, causaria no paradigma catastrofista com suas descobertas2.

De todo modo, as evidências acumuladas por Cuvier à medida que mais fósseis eram estudados e descritos por ele e por sua rede internacional de colaboradores, tornaram impossível negar a realidade das extinções e vislumbrar as fragilidades do Catastrofismo como paradigma3. Lamarck, forçado a reconhecer as extinções mas se recusando a admitir a existências das "revoluções do globo" de Cuvier, estabelece sua alternativa revolucionária: as mudanças graduais de uma espécie originando outra ao longo do tempo, ou o transformismo. Cuvier, por sua vez, confiava tanto em sua percepção da "correlação entre as partes" de um organismo e em seu "Princípio da Subordinação dos Caracteres", conforme sugerida por seus avanços em anatomia, que reconhecia que a mínima mudança em uma parte causaria uma desregulação no organismo como um todo (em um paralelo com a tolice que criacionistas atualmente denominam "complexidade irredutível"). Assim, a negação das extinções por Lamarck levou-o a considerar a evolução das espécies, enquanto a anatomia levou Cuvier a reconhecer as extinções, mas a negar a evolução das espécies. E a possibilidade de que algumas espécies se extinguiram enquanto outras se transformaram não era concebível a nenhum dos dois.

Mesmo com a superação dos paradigmas essencialistas, fixistas e catastrofistas, a obra de Cuvier transformou-se em um monumento extraordinário que sustentou o desenvolvimento da moderna Paleontologia. Após Cuvier descortinar a extinção das espécies, jamais voltamos a encarar os fósseis da mesma maneira.

 
1 Faria F. 2012. Georges Cuvier: do estudo dos fósseis à Paleontologia . São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia/Editora 34. 272 p.
2 Luna Filho PE. 2007. Peter Wilhelm Lund: o auge das suas investigações científicas e a razão para o término das suas pesquisas. Tese, Programa de Pós-Graduação em História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo . 423 p.
3 Faria FFA. 2008. Peter Lund (1801-1880) e o questionamento do catastrofismo. Filosofia e História da Biologia , 3: 139-156.